Home Bancos BNB
OsBorrachudosXV
BNB

Divergências entre BNB e Sindicatos emperram negociação sobre ponto eletrônico

PDFImprimirE-mail

Seg, 01 de Fevereiro de 2016 10:58

 

Primeira reunião da mesa permanente de negociação
Primeira reunião da mesa permanente de negociação

Divergências entre BNB e Sindicatos emperram negociação sobre ponto eletrônico - Três pontos de discordância entre a Contraf-CUT e Sindicatos e a direção do Banco do Nordeste impedem a conclusão dos entendimentos entre as partes com vistas à implantação definitiva do Ponto Eletrônico em todas as dependências da Instituição.               

As divergências referem-se a questões relacionadas à flexibilização da jornada de trabalho, instalação de banco de horas e dispensa do registro eletrônico de ponto para funcionários que não ocupam função de gestão principal.

As discrepâncias vieram à tona na primeira reunião da mesa permanente de negociação de 2016, realizada no último dia 28, no Passaré, em Fortaleza, envolvendo os dirigentes sindicais Gustavo Tabatinga (Contraf-CUT), Tomaz de Aquino (CNFBNB e Sindicato dos Bancários do Ceará), Lusemir Carvalho (Seeb PI), Robson Araújo (Seeb PB) e o diretor de TI e Administração do BNB, Isaías Dantas, e assessores.

Outros assuntos de interesse dos funcionários do Banco também foram tratados na ocasião, como por exemplo, a definição do dia 15 de fevereiro deste ano para o início dos trabalhos da Comissão que vai definir as regras para a eleição do Conselheiro de Administração Representante dos Funcionários.

O fechamento das agências extra regionais do Banco foi colocada pelo diretor Isaías Dantas como decisão irrevogável da Superior Administração dentro de estratégia voltada à aplicação de recursos do FNE em áreas do Polígono das Secas. A determinação mexerá com cerca de 30 funcionários para os quais as entidades sindicais reivindicam tratamento digno quanto à realocação e manutenção de direitos.

  1. – O Sindicato dos Bancários do Ceará, através do diretor Tomaz de Aquino, cobrou explicações sobre o elevado provisionamento para devedores duvidosos do Banco, cujo valor até novembro de 2015 já atingiu elevada cifra em torno de R$ 1 bilhão e 800 milhões. O diretor sindical relacionou o pequeno lucro líquido do Banco até então a esse despropósito de provisões que certamente irão afetar o pagamento da PLR do funcionalismo.

A direção do Banco negou-se a prestar quaisquer esclarecimentos e adiantou que somente através das notas explicativas do balanço de 2015 é que o BNB se posicionará.

Concorrências – Os representantes sindicais reivindicaram do Banco mudança na sistemática de efetivação em comissões conquistadas mediante concorrência, dizendo ser inadmissível que, mesmo após ter cumprido com êxito todas as etapas do processo, o funcionário seja prejudicado pela palavra final do gestor principal de sua unidade de lotação, ao não aceitar sua remoção.

O diretor do BNB comprometeu-se a implantar uma nova sistemática prevendo prazo para a efetivação do comissionamento, ao abrir concorrência em tempo hábil para a vaga por ele deixada.

Os sindicatos entendem que a origem desse problema está na quantidade insuficiente de funcionários, daí terem cobrado mais uma vez a convocação dos aprovados no último concurso. Sobre essa questão, o único compromisso assumido pelos negociadores do BNB foi de que vão defender a prorrogação do concurso vigente, cujo prazo de validade expira em junho deste ano.

Fonte: Seeb Ceará

 

Segunda rodada com BNB discute igualdade de oportunidades e remuneração

PDFImprimirE-mail

Sex, 18 de Setembro de 2015 10:00

Crédito: Jaílton Garcia - Contraf-CUT
Jaílton Garcia - Contraf-CUT
Os bancários lembraram o crescimento apresentado pelo BNB nos últimos anos

As negociações das reivindicações específicas dos funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) foram retomadas nesta quinta-feira (17), em São Paulo, na sede da Contraf-CUT, entidade que foi assessorada pela Comissão Nacional dos Funcionários do BNB e pelos representantes dos Sindicatos do Nordeste. A segunda rodada teve como temas centrais as reivindicações de remuneração e de igualdade de oportunidades.

O secretário-geral da Contraf-CUT, Carlos de Souza, abriu a negociação ressaltando o crescimento apresentado pelo BNB nos últimos anos, com destaque na participação dos funcionários. Também falou sobre a necessidade do banco avançar mais na valorização dos trabalhadores e também na promoção do desenvolvimento social e econômico do País.

"Acreditamos que o BNB pode ousar mais, hoje são 7 mil funcionários, mas pode chegar aos 10 mil. Temos um bom diálogo com o banco, visto a disposição dos negociadores em estar na nossa casa para esta reunião e podemos sair desta campanha com novas conquistas", ressaltou.

Nas negociações desta quarta-feira foram debatidas as seguintes reivindicações:

Revisão do PCR
Os funcionários solicitaram que banco faça a revisão do Plano de Carreira e Remuneração (PCR). Atualmente, o programa vai até o nível 18 para promoções. A reivindicação é que seja ampliado até o nível 36, com o interstício entre todos os níveis de todos os cargos de 3,5% (três e meio por cento).

Tomaz de Aquino, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, explicou que atual modelo limita as promoções e o crescimento dos funcionários dentro do banco, além de estagnar o trabalho de quem já atingiu o nível máximo do PCR.

"Nós construímos uma comissão paritária que sintetizou as demandas dos funcionários nesta questão, mas não houve avanços. O número de níveis hoje não comtempla mais a realidade do banco e precisa ser revisto", completou.

A Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, e os representantes dos sindicatos também pediram participação dos trabalhadores nesta discussão dentro do banco, além de mais informações sobre os critérios para promoções.

Os negociadores do BNB argumentaram que a demanda precisa ser avaliada junto com os planos de cargos e funções, além de uma análise da remuneração total, mas ficaram de apresentar um retorno na próxima rodada.

Passivos trabalhistas
Os representantes dos funcionários reclamaram do grande número de processos parados na justiça, postergados pelo banco, referentes a passivos trabalhistas. Reivindicaram uma mesa permanente ou uma comissão paritária para debater o problema.

"Um canal de comunicação e negociação direta com o movimento sindical, nestes processos, pode representar menos perdas ao próprio banco, menos do que em processos que levam anos na justiça. Buscar um acordo seria melhor. O montante do banco nestes processos já passa de 1 bilhão de reais, sendo que a provisão com este tipo de despesas é de 220 milhões de reais. Queremos sair desta campanha com um mecanismo de comunicação e negociação", argumentou Gustavo Tabatinga Júnior, secretário de Políticas Sindicais da Contraf-CUT.

O BNB não discordou da reivindicação, mas solicitou a definição de uma proposta por sindicato, para analisar os casos de cada região.

Promoção para licenciados
A Comissão Nacional dos Funcionários do BNB também estacou os problemas enfrentados pelos funcionários afastados por problemas de saúde. Os sindicalistas querem garantir o direito de contagem integral de tempo quando o funcionário estiver de licença-saúde para efeitos de promoção.

Atualmente, alguns benefícios ou mesmo direitos são retirados dos bancários enquanto estão afastados. O BNB respondeu que tem agido de acordo com a lei, mas os dirigentes sindicais afirmaram que o banco pode avançar neste sentido, além do que a lei exige, já que os afastamentos por doença são involuntários.

Mais reivindicações
A segunda rodada com o banco também incluiu a equiparação de funções de engenheiros, arquitetos e outras categorias, que compõem o quadro funcional do banco; limite de crédito consignado para funcionários; extensão de prazo para o uso de abono de ausências e acesso dos dirigentes sindicais ao quadro de aviso do banco, por meio eletrônicos, como a intranet, para repassar informações de interesse dos trabalhadores.

O BNB ficou de apresentar as respostas a todas as demandas na próxima rodada de negociação, marcada para 28 de setembro, em Fortaleza.

Estiveram presentes na negociação com o BNB, representando os trabalhadores: secretário-geral da Contraf-CU, Carlos de Souza; secretário de Políticas Sindicais da Contraf-CUT, Gustavo Tabatinga; diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, Tomaz de Aquino; presidente do Sindicato do Piauí, José Arimatea Passos e a diretora, Lusemir Carvalho; diretor do Sindicato de Vitória da Conquista, Ricardo Maia; diretor do sindicato de Pernambuco, Ricardo Vaz; diretor do sindicato da Bahia, Antônio Galindo; e o diretor do sindicato de Alagoas; Alexandre Timóteo.

Pelo banco estiveram presentes o diretor de administração, Isaías Matos Dantas e os assessores Marcos Marinelli, Bibiana Colares e Jorge André Lima.

Fonte: Contraf-CUT

 
 

Comando entrega pauta específica do BNB e define calendário de negociações

PDFImprimirE-mail

Ter, 25 de Agosto de 2015 08:59

Seeb Ceará
Primeira rodada de negociação acontecerá nos dias 10 e 11 de setembro

O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT e
Comissão Nacional dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil- CNFBNB, entregou a pauta de reivindicações dos funcionários à direção do banco, em Fortaleza, nesta segunda-feira (24). O documento foi entregue ao presidente Marcos Holanda, na presença dos representantes dos sindicatos dos bancários do Ceará, Piauí, Paraíba, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, além das Federações do Nordeste e Bahia/Sergipe. Representando a Contraf-CUT, presentes os secretários Geral, Carlos Sousa e de Políticas Sindicais, Gustavo Tabatinga.

Nesse primeiro encontro, ficou acertado um calendário de negociações com o BNB, sendo a primeira rodada agendada para os dias 10 e 11 de setembro, em Fortaleza, sobre os temas Emprego e Saúde; e para os dias 17 e 18 de setembro, em São Paulo, as negociações serão sobre Igualdade de Oportunidades e Remuneração.

Os representantes do trabalhadores enfatizaram a disponibilidade para o diálogo para construir um acordo, mas sempre firmes na defesa dos interesses dos trabalhadores. O presidente do BNB disse da sua disposição para negociar esse acordo e que seja satisfatório para ambos os lados.

"O BNB é um banco importante, do perfil que defendemos, que tem que ser instrumento para o desenvolvimento, disponibilizar crédito para investimento na região. Para isso é preciso que seus funcionários sejam valorizados. Contamos com uma forte mobilização em 2015.Vamos lutar muito pelos direitos, empregos e muitas outras conquistas" afirma Carlos Souza, secretário geral da Contraf-CUT.

A pauta contém 77 cláusulas e entre as principais demandas específicas apontadas pelo funcionalismo, destacam-se a revisão do PCR, isonomia, ponto eletrônico, combate à terceirização, melhorias na Camed e Capef, luta por aumento real, escolha de diretor representante no Conselho de Administração (Caref), entre outras.

A pauta específica do BNB está disponível na área da download no site da Contraf-CUT.

Fonte: Seeb Ceará

 
 

Comando entrega pauta específica dos funcionários do BNB nesta segunda

PDFImprimirE-mail

Seg, 24 de Agosto de 2015 11:49

Seeb CE O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, entrega nesta segunda-feira (24), a pauta específica de reivindicações dos funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), da Campanha Nacional dos Bancários de 2015. Na reunião também ocorrerá a primeira rodada de negociação, com o tema Emprego.

A pauta específica, definida pelo XXI Congresso Nacional dos Funcionários do BNB, realizado em Recife (PE) nos dias 24 e 25 de julho, tem ao todo 77 cláusulas, doze a mais que na minuta aprovada no ano passado. A revisão do PCR, isonomia, ponto eletrônico, combate à terceirização, melhorias na Camed e Capef, luta por aumento real, escolha de diretor representante no Conselho de Administração (Caref), estão entre as principais demandas específicas apontadas pelo funcionalismo.

"O BNB tem papel importante na economia regional e nacional, está em expansão. A nossa expectativa é que o banco reconheça a atuação dos bancários neste contexto, valorizando os funcionários", explica o secretário-geral da Contraf-CUT, Carlos de Souza.

"Começa a campanha salarial dos funcionários do BNB este ano. Com a participação e mobilização da categoria vamos construir uma campanha vitoriosa, garantindo os direitos e avançando em conquistas para o funcionalismo do Banco", avalia Tomaz de Aquino, diretor do Sindicato do Ceará e coordenador da CNFBNB.

CONFIRA ALGUMAS DELIBERAÇÕES DO CONGRESSO QUE CONSTAM NA PAUTA

REMUNERAÇÃO E EMPREGO
 Revisão do PCR com 36 níveis;
 Isonomia;
 PLR Social linear de 5% do lucro líquido;
 Ponto eletrônico.

SAÚDE E PREVIDÊNCIA

 Melhorias na Camed e Capef, com redução de custos para associados;
 Eleição de um diretor representante dos associados na Capef e Camed;
 Combate ao assédio moral.

BANCOS PÚBLICOS

 Combate à terceirização;
 Operacionalização do Crediamigo e Agroamigo por bancários;
 Abertura de imediato do processo de eleição para Conselheiro de Administração Representante dos Funcionários (Caref);


ORGANIZAÇÃO E MOBILIZAÇÃO


 Luta pela continuidade da política de aumento real;
 Seguir orientação da Confederação Nacional para modelo de PLR.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb CE

 
 

Lucro do BNB cai 51,5% com aumento injustificável de despesas com PDD

PDFImprimirE-mail

Seg, 24 de Agosto de 2015 07:47

O lucro líquido do Banco do Nordeste (BNB) no primeiro semestre de 2015 foi de R$ 158,4 milhões, o que representa uma expressiva queda de 51,5% em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com análise feita pelo Dieese, a redução se deve, principalmente, ao crescimento das provisões do banco com créditos de liquidação duvidosa (as chamadas PDD) que cresceram 165,6% no período. O retorno sobre o patrimônio líquido médio do banco (ROE) foi de 10,2%, com queda de 12 pontos percentuais em doze meses.

Acesse aqui a análise do Dieese

Itens Patrimoniais

Seus ativos cresceram 11,4%, chegando a R$ 40,6 bilhões, enquanto o capital próprio (patrimônio líquido) atingiu R$ 2,94 bilhões, representando queda de 14,9%. A Carteira de Crédito, considerando-se a carteira do FNE (Fundo do Nordeste), que é administrada pelo banco, atingiu a cifra de R$ 61,1 bilhões, com queda de 12,6%, em relação a junho de 2014. As taxas de inadimplência se mantiveram estáveis e extremamente baixas, ficando em 1,1% (redução de 0,14 ponto percentual). Para o Dieese, nem o resultado da carteira e, menos ainda, as taxas de inadimplência justificam tamanho crescimento das despesas de PDD.

Efeito Selic

O crescimento do resultado com Títulos e Valores Mobiliários foi de 33,4%, sendo diretamente influenciado pelos sucessivos aumentos na taxa Selic, assim como pelos aumentos nos índices de preços.

Com crescimento de 14,9% em doze meses, as receitas de prestação de serviços e rendas de tarifas bancárias totalizaram R$ 1,1 bilhão. Já as despesas de pessoal reduziram-se em 4,0%, chegando a R$ 731,2 milhões. Esses resultados impactaram na redução da relação entre ambas e a cobertura das despesas de pessoal por essas receitas secundárias do banco ficou em 147,52% em junho de 2015.

Emprego

Em doze meses, foram abertas 19 novas agências e criados 251 novos postos de trabalho, um crescimento de 7,0% e 3,7%, respectivamente. O BNB encerrou o mês junho de 2015 com 7.114 funcionários.

Fonte: Contraf-CUT

 
 

Página 1 de 26

Facebook



Siga-nos