Home Bancos BNB
  • 000_banner_topo_quarentão.jpg
  • eleiçãocassichapa1.jpg
BNB

Rombo no Banco do Nordeste do Brasil

PDFImprimirE-mail

Seg, 03 de Fevereiro de 2014 19:07

foto-roberto-smith

Sindicato dos Bancários do Ceará estava certo ao pedir apuração de irregularidades no BNB
- O ex-presidente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), Roberto Smith, e outros cinco ex-dirigentes que fizeram parte da sua gestão (de fevereiro de 2003 a junho de 2011) são acusados de, por meio de “gestão fraudulenta”, contribuir para um prejuízo de R$ 1,274 bilhão ao Banco. A denúncia, divulgada dia 24/1, é do Ministério Público Federal do Ceará (MPF-CE) e foi coordenada pelo procurador da República, Edmac Trigueiro. A ação tramita na 11ª Vara da Justiça Federal.

No dia 28/1, a procuradora Nilce Cunha, também do MPF-CE, instaurou inquérito civil público para apurar possível ato de improbidade administrativa do ex-presidente do BNB, Roberto Smith, e de outros dez ex-dirigentes da instituição financeira. A diferença entre as duas ações é que a primeira acontece na esfera penal e a segunda na esfera cível. As ações penal e cível possuem julgamento e penalidade diferentes.

De acordo com Trigueiro, o rombo é referente a 55.051 operações de empréstimos concedidos a empresários, com recursos do Fundo Constitucional de Desenvolvimento do Nordeste (FNE), criado em 1989 para fomentar a região (só em 2013, R$ 11,5 bilhões foram investidos). Esses empréstimos, no entanto, não foram quitados nem cobrados pelo BNB, o que, segundo Trigueiro, caracteriza omissão por parte dos gestores envolvidos na denúncia, e, consequentemente, crime de “gestão fraudulenta”.  Das operações que foram auditadas, 2.385 possuíam Autorização de Cobrança Judicial (ACJ). Além disso, o Tribunal de Contas da União (TCU) chegou a recomendar à diretoria do Banco na época que realizasse as cobranças, o que não aconteceu, garante o procurador.

Além do ex-presidente do BNB, Roberto Smith, outros cinco foram denunciados pelo MPF-CE: João Francisco de Freitas Peixoto (ex-superintendente de Controles Internos, Segurança e Gestão de Riscos do BNB), João Andrade Costa (ex-superintendente de Crédito e Gestão de Produtos do BNB), João Alves de Melo (ex-presidente do Comitê de Auditoria do BNB), Dimas Tadeu Fernandes Madeira (ex-superintendente de Auditoria do BNB) e Jefferson Cavalcante Albuquerque (ex-superintendente de Controles Internos, Segurança e Gestão de Riscos do BNB).

Além destes, cinco diretores não tiveram seus nomes acatados pela Justiça Federal. São eles: Luiz Carlos Everton de Farias, Paulo Sérgio Rebouças Ferraro, Oswaldo Serrano de Oliveira, Pedro Rafael Lapa e Luiz Henrique Mascarenhas Correia Silva. Os dois primeiros ainda trabalham no Banco.

Sindicato já denunciava irregularidades – A notícia não surpreendeu o Sindicato dos Bancários do Ceará que, há mais de um ano, vinha denunciando essa situação e cobrando investigação dos órgãos competentes e o afastamento dos remanescentes da gestão Roberto Smith. A entidade está solicitando audiência com o procurador da República, Edmac Trigueiro, para debater a questão.

Desabafo

"O Sindicato fez várias manifestações na sede administrativa do Banco denunciando esses desmandos e cobrando investigações, com o afastamento dos remanescentes da gestão Smith, para que tudo transcorresse de forma transparente. Agora, com essa denúncia do MPF Ceará, esperamos que essas irregularidades sejam apuradas e os culpados, punidos”, desabafou Tomaz de Aquino, diretor do SEEB-CE e coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB.

Fonte: SEEB - CE

 

Vamos contruir uma AFBNB diferente: Vote Chapa 2

PDFImprimirE-mail

Ter, 12 de Novembro de 2013 14:35

Chapa2 Afbnb adesivo
A eleição para a diretoria executiva e o conselho fiscal da Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil  (AFBNB) vai acontecer nesta terça-feira, 13 de novembro. A diretoria do Sindicato dos Bancários da Paraíba apoia a Renovação, a Unidade e a Ousadia preconizadas na Carta-Programa da Chapa 2 - Renova AFBNB com Unidade e Ousadia.

A Proposta da Chapa 2, de oposição à atual diretoria da AFBNB, foi pensada e construída com base nos pricípios de renovação, unidade e ousadia.

A Chapa 2 entende que a AFBNB precisa urgentemente orxigenar seus quadros, unindo a experiência dos companheiros com mais tempo de banco à força e às expctativas dos mais jovens.

A Chapa 2 acredita que a unidade, tanto dos bancários como das entidades que lhes representam, é fundamental para o fortalecimento de uma AFBNB capaz de defender seus interesses e o papel social do BNB.

A Chapa 2 defende a construção de uma AFBNB com ousadia para construir mudanças e debater o papel do BNB no desenvolvimento da sociedade e defendê-lo com independência, atuando nos moldes do BNDES e não como banco de mercado.

Por isso, recomendamos: Vote Chapa 2 - Renova AFBNB com Unidade e Ousadia.

 
 

Sindicato cobra redimensionamento do quadro funcional do BNB na Paraíba

PDFImprimirE-mail

Qui, 31 de Outubro de 2013 12:50

reuniao BNB 31102013 mat
Nesta quinta-feira (31), os diretores do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcos Henriques (presidente) e Natascha Brayner (Secretaria da Mulher) estiveram reunidos com o superintendente do Banco do Nordeste do Brasil, José Maria Vilar, para discutir o não pagamento das horas extras e a falta de funcionários nas unidades do BNB.

Na ocasião, a diretoria do Sindicato justificou a ausência do diretor Robson Luís, funcionário do BNB que está em visita às agências do interior, e cobrou o pagamento das horas extras aos bancários. Segundo denúncias recebidas pelo Sindicato, desde o mês de abril os bancários não recebem a horas trabalhadas além da jornada normal.

O superintendente se disse surpreso com a denúncia e afirmou que todas as horas extraordinárias remetidas à Superintendência, pelos gerentes de agências, são pagas. Aliás, trata-se de assunto objeto de reunião anterior, entre Sindicato e Superintendência, quando o superintendente se comprometeu a efetuar tais pagamentos. "Vamos solicitar de todos os gerentes, que nos enviem o passivo de horas-extras em todas as agências da nossa jurisdição para efetuarmos os devidos pagamentos", assumiu José Maria Vilar.

Ao cobrar o pagamento das horas extras, Marcos Henriques apresentou um vídeo, mostrando o conturbado atendimento na agência Gama e Melo, no expediente da terça-feira (29). “Os funcionários estão trabalhando exaustivamente há mais de seis meses sem receber as horas extras e isso, além de ser ilegal, desmotiva os trabalhadores. Afinal, quem trabalha quer ser remunerado pelo seu esforço”, argumentou.

Ainda aproveitando as imagens da referida unidade do BNB na Capital paraibana, no expediente da terça-feira (29), os dirigentes sindicais denunciaram também a falta de funcionários para atender a uma demanda cada vez maior e a necessidade de se readequar o quadro funcional.

“É impossível três caixas executivos atenderem à demanda cada vez maior na agência centro do BNB, em João Pessoa, com a agravante de ficarem apenas dois no intervalo do almoço. Da mesma forma, também é insuficiente o número de funcionários no atendimento. Daí, a nossa cobrança pelo redimensionamento do quadro funcional das unidades do BNB que, além de oferecer condições satisfatórias de trabalho, concorrerá para o atendimento decente e de qualidade que a sociedade merece receber de um banco público,” concluiu Marcos Henriques.

Ao final da reunião, o Superintendente solicitou uma cópia do vídeo para apresentar à direção do Banco do Nordeste, na reunião que vai acontecer em Fortaleza – CE.

 
 

BNB não atende expectativas e Comando Nacional orienta mobilização

PDFImprimirE-mail

Ter, 10 de Setembro de 2013 12:43

Crédito: Seeb Ceará
Seeb Ceará
Negociação frustrou bancários e Comando reforça calendário de luta

Mais uma vez, a direção do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) frustrou as expectativas do funcionalismo durante rodada de negociação realizada na segunda-feira, dia 9, no Centro Administrativo do Passaré, em Fortaleza. O banco limitou-se a apresentar para o Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, alguns avanços da mesa permanente, entretanto sem apresentar nada de concreto relativo às reivindicações da pauta específica dos funcionários da Campanha Nacional 2013.

O diretor administrativo e de TI do BNB, Nelson Antônio de Sousa, e o superintendente de Desenvolvimento Humano, Alan Teixeira, ressaltaram como avanços da mesa a suspensão do empréstimo de férias e do CDC; a resolução dos casos pendentes oriundos da reestruturação realizada nas centrais operacionais; a convocação de 210 concursados, inclusive de áreas técnicas; a abertura de novas agências e previsão de mais 78 inauguradas até o final de 2013; a desmobilização de terceirizados; a disponibilidade do banco em negociar passivos trabalhistas; a definição da comissão eleitoral para eleição do representante dos trabalhadores no Conselho Administrativo nos moldes do BB e, pela primeira vez, o BNB falou oficialmente sobre a existência de um Plano de Incentivo ao Desligamento, que se encontra em análise pelo Ministério da Fazenda e DEST.

O banco negou ainda o "asseguramento" de função de 12 meses, reivindicado pela Contraf-CUT, no que se refere à reestruturação realizada recentemente pelo BNB.

"Nós, trabalhadores, reconhecemos os avanços conquistados na mesa permanente com o BNB e consideramos positivas essas questões apontadas pelo banco, pois demonstram que nossas justas reivindicações vêm sendo atendidas. Entretanto, diante do momento decisivo que vivemos da Campanha 2013, esperamos pelo menos que o banco apresente algo relativo à nossa pauta específica, como por exemplo: PCR já, PLR Social de 5%, implementação imediata do ponto eletrônico, contratação de todo o banco de reserva do concurso que expira no meio do ano que vem, fim das terceirizações, entre outras demandas que já foram discutidas e apresentadas, ponto a ponto, em negociações anteriores", avalia o vice-presidente da Contraf-CUT, Carlos Souza.

A representação dos funcionários cobrou respostas para a revisão do PCR, o aumento de 3% para 5% no pagamento linear da PLR Social, as questões relativas à CAPEF e à CAMED, a implementação real do ponto eletrônico e emprego, entre outras.

"Nós entendemos que a revisão do PCR e a PLR Social são formas de incentivar e de reconhecer o trabalho e o esforço dos funcionários para fortalecer este Banco cada vez mais. A situação da CAPEF e da CAMED também muito nos preocupa e nada mais justo que tenhamos representantes nessas diretorias, como forma de proteger o trabalhador. Com relação ao ponto eletrônico, precisamos implementá-lo de fato, como forma de coibir a jornada irregular, que são denúncias que o Sindicato recebe praticamente todos os dias. Além disso, a contratação de mais funcionários para amenizar o caos nas agências também é uma reivindicação simples e justa. Esperávamos, pelo menos, propostas para esses casos mais urgentes. Mas, nem isso veio", lamenta Tomaz de Aquino, coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, que assessora a Comando nas negociações.

Revisão do PCR

Tomaz cobrou que fosse retomada a comissão paritária para discutir a revisão do PCR, informando que inclusive os trabalhadores já apresentaram seus nomes à comissão. Segundo ele, esse é um trabalho que já está encaminhado e não vê porque protelar tanto a instalação da comissão.

Emprego

A Contraf-CUT avalia que é positiva toda e qualquer convocação de concursados, principalmente no BNB que está num processo louvável de desmobilização de terceirizados. No entanto, esse número de 210 convocados ainda é insuficiente para atender à demanda das agências.

As entidades reivindicaram novamente que, diante da impossibilidade legal de se prorrogar o concurso vigente, que sejam convocados o maior número possível de concursados até a sua expiração, em meados de 2014.

"Segundo nos informou o próprio banco, 78 novas agências devem ser inauguradas até o final do ano. Se são necessários oito funcionários no mínimo por cada agência, nós calculamos que o BNB precisará de pelo menos mais 600 trabalhadores", analisa Carlos Souza.

PLR Social

Os funcionários do BNB pleiteiam o aumento da PLR Social de 3% para 5%. "Considerando que o papel do banco é tão importante para a sociedade, quanto o da Caixa Econômica Federal, é incoerente que o BNB receba PLR Social inferior, já que o patrão é o mesmo: o governo federal", pondera o vice-presidente da Contraf-CUT. Hoje, os trabalhadores da Caixa recebem 4% de PLR Social.

Previdência e Saúde

Os trabalhadores esperam uma solução urgente para o plano BD da Capef para que os funcionários possam se aposentar de forma digna. Quanto à Camed, uma das reivindicações é o fim da co-participação que onera o funcionalismo. Além disso, os bancários querem a criação de um plano de custeio, uma reivindicação antiga dos trabalhadores.

Mobilizar para conquistar

Como o banco não atendeu a maioria das reivindicações dos trabalhadores, o Comando Nacional orienta que os funcionários se mobilizem e participem ativamente das atividades dos sindicatos, fiquem atentos ao calendário de luta para construir uma grande campanha com força para arrancar as reivindicações dos trabalhadores.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Ceará

 
 

Encontro debate o papel dos bancos públicos no sistema financeiro

PDFImprimirE-mail

Qua, 21 de Agosto de 2013 11:56

reuniao-AFBNB
Debater a necessidade de função diferenciada dos bancos públicos no atual modelo de sistema financeiro brasileiro e o que fazer para que contribuam para o desenvolvimento do Brasil. É com este objetivo que a Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (AFBNB) realizará o seminário “Sistema Financeiro x Desenvolvimento - o papel dos bancos públicos”, na próxima sexta-feira, dia 23 de agosto de 2013, às 9h, no Hotel Portobello Ondina.

A palestra de abertura, aberta ao público, será ministrada pelos professores doutores em economia Renildo Souza (da Universidade Federal da Bahia) e Gilson Costa (da Universidade Federal do Pará).

O debate integra a programação da 44ª edição da Reunião do Conselho de Representantes da AFBNB - encontro que reúne semestralmente funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) lotados em diferentes estados e que são escolhidos por seus pares para representar a Associação em sua unidade de trabalho. O evento prosseguirá no dia 24 de agosto, dedicado a questões internas de valorização dos trabalhadores do BNB.

Sobre a AFBNB – A Associação dos Funcionários do BNB é uma entidade com 27 anos de fundação, sediada em Fortaleza e com atuação nacional, com mais de cinco mil associados. Sua missão é defender os direitos dos trabalhadores do BNB; trabalhar pelo desenvolvimento do Nordeste, através do combate às desigualdades sociais e atuar na preservação do Banco do Nordeste do Brasil enquanto indutor de desenvolvimento da região.

 
 

Página 1 de 21